sexta-feira, julho 14, 2006

Hierarquia Gentílica X Visão do Reino de Deus


Na medida em que o pastor assume a carga de trabalho, a maioria dos irmãos mergulha na passividade, e estes irmãos pesarosos e egoístas deixam de crescer espiritualmente. Desta maneira, é inevitável que pastores e congregações terminem igualmente convertendo-se em inválidos espirituais, inutilizados por este oficio antibíblico.
O Novo Testamento chama Paulo de “apóstolo”, Filipe de “evangelista”, Manaén de “mestre” e Agabo de “profeta”, mas nunca identifica alguém como pastor! De fato, a palavra “pastor” é utilizada apenas uma vez em todo o NT (veja Efésios 4:11). “Pastor” é usado como metáfora descritiva, nunca como título ou oficio eclesiástico. Isso não é levado em conta na prática comum. Em nossos dias o “pastor” é tido como a figura mais valiosa da igreja, e seu nome brilha com destaque nas igrejas em todas as partes do mundo. (É de se perguntar porque os nomes dos outros ministérios não aparecem nestas luminárias quando o NT lhes outorga bem maior atenção).
O rol pastoral moderno sufoca a Chefatura de Jesus Cristo e tem um efeito espiritual paralisante na igreja. Despoja-a de sua plena função sacerdotal (de todos os crentes) tão amada por Deus. Além disso, a própria presença do pastor dilui e afoga os crentes “ordinários” que são igualmente talentosos para pastorear e ensinar o rebanho. (Não percebem o fato de que a Bíblia ensina que cada igreja deve ter múltiplos pastores e que todos os membros têm a responsabilidade pastoral).
Tipicamente, se alguém, que não seja o pastor, se atreve a pastorear ou ensinar as ovelhas (mesmo se esse alguém é digno de confiança, maduro e espiritualmente inteligente), o pastor se sentirá ameaçado e o colocará de lado com o pretexto de “proteger” o rebanho. Sendo mais específico e direto, a idéia que se tem hoje em dia do “pastor” está bem distante do pensamento de Deus. Impõe à dinâmica da comunidade do NT a camisa de força do Antigo Testamento.
No obstante, apesar das tragédias espirituais que isto engendra, as massas continuam dependendo, defendendo e insistindo na existência deste rol tão antibíblico. Por esta razão os chamados “leigos” são tão responsáveis pelo problema do clericalismo como o próprio “clero”. Como diz Jer. 5.31, “os profetas profetizam mentiras, os sacerdotes governam por sua própria autoridade, e o meu povo gosta destas coisas. Mas o que vocês farão quando tudo isso chegar ao fim?”
O ministério de Jesus com respeito à questão da autoridade clarifica os temas fundamentais que estão por trás da moderna doutrina da “cobertura” patoral. Consideremos como o Senhor contrastava o modelo hierárquico de liderança do mundo gentílico com a liderança no reino de Deus. Depois que Jacobo e João lhe pediram que lhes concedesse altas posições de poder e glória ao seu lado no Seu trono, Jesus os contestou dizendo:

"Vocês sabem que os governantes das nações AS DOMINAM, e as pessoas importantes EXERCEM PODER sobre elas. NÃO SERÁ ASSIM ENTRE VOCÊS; ao contrário, quem quiser tornar-se importante entre vocês deverá ser servo, e quem quiser ser o primeiro deverá ser escravo, como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar sua vida em resgate por muitos." (Mat. 20:25-28)

E mais uma vez,

"...Os reis das nações DOMINAM sobre elas, e os que EXERCEM AUTORIDADE sobre elas são chamados de benfeitores; MAS VOCÊS NÃO SERÃO ASSIM. Ao contrário, o maior entre vocês deverá ser como o mais jovem, e aquele que governa como o que serve. Pois quem é maior, o que está à mesa, ou o que serve? Não é o que está à mesa? Mas eu estou entre vocês como o que serve." (Luc. 22:25-27).


A palavra grega traduzida por “exercem sua autoridade” em Mateus é katexousiazo que é uma combinação de duas palavras gregas: katá, que significa sobre, e exousiazo, que significa exercer autoridade. O Senhor também utiliza nesta passagem a palavra grega katakurieuo que significa “controlar” ou “dominar” aos demais. O que Jesus condena nestas passagens não é apenas os líderes opressores como tais, mas a forma hierárquica de liderança que domina o mundo gentílico.

Isto merece ser repetido: Jesus condenou não apenas os líderes tirânicos, condenou também a própria forma de liderança hierárquica!


Não quero com esta reflexão proporcionar uma divisão no meio protestante. Quero apenas alertar atraves de fatos bíblicos que, o modelo que vemos hoje em nossas comunidades é totalmente influenciado pelo homem. Há quem diga que isso se faz necessário... não discordo com o ponto de vista e nem de sua experiência pessoal, pelo contrário. Mas nunca uma experiência pessoal pode ser ensinada e/ou imposta como sendo doutrina bíblica. Se me perguntar o que acho, certamente eu diria que me adaptaria a esta forma hierárquica. Mas não tentaria impôr o que eu penso de forma a enganar pessoas para conseguir "comandar" suas vidas. Mesmo porque, o ensinamento de Jesus Cristo e dos Apóstolos funcionou muito melhor do que o que podemos ver em nossos dias.

6 comentários:

Déborah Patrícia disse...

Não concordo muito não com este texto...pelo que entendi quer mostrar que estes homens denominados pastores estão querendo impor tal autoridade, não aceitam opiniões, ações fora as suas...achei um pouco exagerado!!!Na verdade tem aquelas outras denominações de apostolo,mestre...e tal, mais vejo o pastor como uma ovelha líder de ovelhas, no qual o pastor maior Jesus Cristo o direciona e mostra sua visão para que o "pastor" mostre a igreja... e acho que uma hierarquia certinha, modelo coisa e tal num seja necessária...tanto como foi exposta aí né...bjos té mais..

Camila disse...

Infelizmente sabemos da realidade q alguns vivem dentro das igrejas, com coisas do tipo: temos q ser submissos à autoridade do pastor, mesmo mts vezes essa autoridade sendo contrária à nossa vontade. Mas é realidade tbm, q apenas uma pequena parte dos q dizem crentes, conhecem e tem atitude de exercer sua função no corpo d Cristo.

Bem, a mim, cabe apenas continuar aprendendo com vc (Fernando) e orando... orando mt, pois tenho certeza q fará diferença em nossa geração, mas a cada dia tbm tenho mais certeza d q incomodará mts com suas "idéias". Deus t abençoe

Anônimo disse...

Aprendi muito

André disse...

Gostei muito do texto!!!

Agora tenho uma dúvida!Por que Paulo escreve para os Romanos (Romanos 13) sobre autoridade?Será que aquilo só serve para aquela época?Aquela cultura?porque hj as igrejas fazem uma repressão nos membros.Doutrina não converte o coração de ninguém,mas sim o Espirito Santo!

E mais uma pergunta! Lá em efésios 4 versiculo 11 que Deus escolhe uns para pastores e outros pra bla bla bla bla,bom há uma hierarquia nisso????

Obrigado

andre_hist disse...

Bom, quanto a postagem do André, o respeito que Paulo disse é referente aos líderes magistrados. Quanto ao texto, embora eu já tenha me desvinculado com muito prazer desse contexto religioso, gostei muito do que li. Acredito que é apartir dessas idéias que podemos obter plataforma intelectual para mensurar um deus inteligente.
Até mais...

Douglas Menezes disse...

Bons comentarios, só falta firmar seus principios.Não sei se és evangelico ou catolico, mas peço a DEUS que te abençoe pelas ideias pois é disso que estamos precisando nesses ultimos dias.