quarta-feira, junho 28, 2006

Razão X Sentimento




O que antes se fazia presença por meio da nostálgica dúvida na calada da noite, tornou em uma certeza transcedente e notoriamente agradável. Olho para mim e me pego fazendo o que sempre achei impossível de se fazer...
Olho para a minha vidae vejo que já não sou mais como eu era antes... agora eu não vivo mais sem direção. Presto os meus sentidos a espreitar o quão mudado estou... Presto os meus sentidos a me certificar de que não estou em um profundo sono... nem sequer entorpecido por alguma substância.
Busco em meu peito as notas certas para acompanhar as batidas do meu coração. Busco no meu mais profundo saber, a relação com alguma ciência humana... mas sem êxito! Levo-me então cativo a um lugar nunca dantes navegado... por águas tranquilas e serenas... Chego ao ponto de exclamar as águas:
_Pode por ventura haver lógica?
_Pode haver lógica em algo além do que conheço? (...)
Mas as perguntas se foram solitárias ao léu. Trazendo ainda mais a angústia do saber inesperado.
_O que tenho eu?
_Posso estar doente?
_Porque estou sofrendo? (...)
Perguntas são lançadas ao som de acordes suaves e distantes... Não atento mais ao que me envolve... e não mais me envolvo em nada que venha me atrair.
O que sobra então... então... apenas o resto daquilo que desconheço profundamente. Palavras se intertextualizam querendo fazer sentido em minha mente atrapalhada... mas mesmo assim sem nenhum êxito!
Olho para o céu, como dizia certo poeta majestoso salmista, de onde vem o meu socorro... trago cativo em meus pensamentos algo que se difere dentre os demais... Algo que me assusta e que me alegra por inteiro.
_pode ser a irracionalidade a razão na qual anseio?
_Pode se dar um nome para isto? (...)
Perguntas novamente são lançadas ao céu... mas desta vez, acompanhada de lágrimas que manifestam a verdade dentro de mim... que faz florescer, como no tracejo da aurora, um sentimento isento de razão na qual se denomina AMOR!
O AMOR não cansa e nem se cansa. Como pode um homem dizer:
_"Cansei-me de amar"? Por ventura não sou eu benaventurado por amar?? Pode o homem cansar-se de amar? De maneira nenhuma!!!
Onde não há AMOR , põe AMOR e colherás AMOR. Colhendo AMOR, tens contigo o fruto maravilhoso, pois, o AMOR não apavora nem causa sofrimento, pois é o término de todas as dores e o início de todo o bem.
Quando tiveres os seus desejos apagados, tuas afeições na avidez e angústias e tuas faculdades incapazes de qualquer exercício interior, não sofras por isso; considera-te feliz por estares assim. Deste modo poderá alcançar o limite do sentimento humano e começar a sentir o início do sentimento espiritual. Te digo então:
_Ama, então, essa alma, nele e com ele, com o próprio amor com que se ama.
_Ama, pois, sinta, teu coração, pulsando de uma maneira descompaçada...

Fernando Henrique Liduário Maximiano

3 comentários:

claudinha disse...

QUE TEXTO BONITO, FOI VC QUEM FEZ??
QUE LINDA FORMA DE PENSAR...
VC DEVIA SER UM ESCRITOR, PARABENS.. BJS BJS FICA COM DEUS...

Camila disse...

O verdadeiro amor lança fora todo medo. Quando ele existe d verdade, nos impulsiona a agir d maneira nova. Lembra d cânticos? rsrs. Pois é, e em ICo tbm fala sobre o amor, q tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta...
Achei lindo o q escreveu, e desejo q vc venha a perceber e valorizar àqueles q t amam d verdade, é difícil esse négocio d razão x sentimento, mas todas as coisas cooperam pra nosso bem, certo?
Deus t abençoe sempre e t capacite cada vez pra fazer diferença em nossa geração.

Anônimo disse...

Tenho pena e vc!!! Que Deus tenha misericórdia de sua alma...