domingo, agosto 05, 2007

Moça...

O que poderia fazer um sonhador quando encontra na realidade a manifestação do seu melhor sonho? Não haveria de sentir tamanho gozo? De certo, não há outra opção a não ser assegurar-se de que não voltará a sonhar com o belo, pois, o belo se fez presente em sua melhor forma. Moça, o que te faz especial não é aquilo que enche o meu campo de visão, mas sim, o notório brilho de vida que comumente avisto em sua fala, em sua foto, em sua risada, enfim, em tudo que engendra por perfeição, ou seja, por você.
Mais um dia, mais uma noite, mais um tempo... outro tempo. Chego a pensar que o tempo é o contratempo de quem anseia por amar... de ser amado... de sentir... de doar... de ser completo e de completar.

Porém, no instante em que puder tê-la em meu peito aflito, tornar-me-ei a reconciliar com as horas, com os dias, com os anos... pois, o melhor tempo de minha vida, se fará ao descanso de seus braços, aonde poderei assentar minha face em meio a seus seios e sentir o pulsar suave e verdadeiro de alguém que tardou, mas que achou o verdadeiro amor... e ali, somente ali, poderei sentir-me seguro.
Meu anjo, não pense que falo tais coisas por querer uma conquista, pois, o que é uma conquista em vista do verdadeiro amor? Estaria, eu, errado por relatar em palavras aquilo que sinto em meu âmago? Andaria mais uma vez enganado por caminhos torpes sem tentar lhe fazer feliz? Como não ousar ser feliz ao lado de quem promete resgatar-me do mar de ilusão em que tenho vivido? Não... não pode privar-me de amar... antes, retire todo o ar que tenho para respirar! Rasgue o meu peito com um punhal e não permita que eu viva sem que você não esteja ao meu lado!

Ata-me a base de um foguete e me mande para o infinito, aonde poderei ter uma pequena noção daquilo que eu não pude sentir estando junto a você.
O que pode haver de mais valioso no homem do que a sua musa inspiradora? Seria como negar ao homem a sua fonte de vida, negar suas virtudes incontestáveis, negar o fato de viver para fazer-te uma mulher feliz... o que passar disso ou o que for aquém, não é digno de viver... sendo assim, respiro para manter as funções vitais em perfeita harmonia e assim poder fomentar lisonjeiramente palavras doces tal qual tu és. Encerro-me na expectativa de poder um dia tanger lindos acordes de júbilo em honra a sua estontiante beleza com que me cativaste em apenas um instante, porém, ecoará por toda a eternidade.

Moça, se te gosto, é porque tenho motivo para tal... e se lhe desejo, é porque quero te sentir ligado a mim, até o fim... Beijos, do seu, do sempre seu, Amor.

Fernando Henrique Liduário Maximiano

6 comentários:

Anônimo disse...

Nossa!!! Lindo... eu me senti - A MOÇA!!! Vc tem o dom com as palavras... parabens!!!
Bjs-Deia

Fernando Henrique disse...

Andréia. Muito me alegra vê-la por aqui. Obrigado por suas palavras.

allan.mathias disse...

Fala cara!!! Puts... vc tava inspirando quando escreveu hein!!!rsrs

abraços

some nao cara!

Fernando Henrique disse...

Allan, meu grande amigo!

Bom te vê por aqui. Obrigado pelo comentário e pela simpatia.

Abração!

Yasmmin Andrade disse...

MOÇO (hehe), que belas palavras... Amei conhecer o seu blog. É quase uma aula de filologia (hehe). Não sei se gosto mais do seu lado filosófico, teológico ou poético... Pensando bem, sua amizade é o mais importante para mim e eu, como muitos que pude perceber, espero ansiosamente por novas postagens para que possamos continuar nos deleitando.
Bjinhus ^^

Anônimo disse...

Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu